Pub
Pub
artigo
imprimir

Colesterol total: afinal, é importante?

Ouvimos falar de colesterol «mau» e «bom», mas também existe o colesterol total. Para que serve? O que nos diz? Hoje vamos descobrir!

Podemos dividir o colesterol, de grosso modo, em 3 tipos diferentes: o «mau», o «bom» e o colesterol total. Para além destes importantes lípidos (ou gordura), existem também os triglicéridos. É importante todos serem avaliados, pois dão-nos informações de saúde diferentes.

 

 

  • Colesterol HDL: é o «bom» colesterol. Níveis elevados de colesterol HDL são considerados «cardioprotetores», isto é, ajudam a manter o coração saudável.

 

  • Triglicéridos: está muitas vezes aumentado em conjunto com o colesterol LDL e total. Além disso, está associado também ao risco de doença cardiovascular.

 

  • Colesterol total: é um valor composto de colesterol. Para calcularmos o seu valor, são somados os valores do colesterol HDL, LDL e 20% do total dos triglicéridos.

A importância do colesterol total

Apesar de cada vez mais se falar na redução do colesterol LDL, sabe-se que valores elevados de colesterol total estão diretamente relacionados com o aumento do risco cardiovascular. E o risco cardiovascular significa a probabilidade de um alguém vir a desenvolver um evento cardiovascular como, por exemplo, um enfarte ou AVC. A European Society of Cardiology (ESC) calcula esse risco através dos seguintes dados:

 

  • género;
  • idade;
  • pressão arterial sistólica;
  • tabagismo;
  • colesterol total.

 

O colesterol total é pedido em análises de sangue e deve sempre ser feito em jejum de, pelo menos, 8h a 12h.

Porque devemos controlar o colesterol?

Tanto o colesterol como os triglicéridos em valores elevados no sangue são prejudiciais à saúde. A dislipidemia (disfunção associada aos lípidos, ou gorduras, como o colesterol e os triglicéridos) está na origem da aterosclerose. E esta é uma doença caracterizada pelo depósito progressivo de gordura nas artérias, causando o seu estreitamento e, mais grave, a sua obstrução.

 

O estreitamento ou obstrução arterial causa uma diminuição do fluxo sanguíneo. Por sua vez, pode originar enfarte agudo do miocárdio ou acidente vascular cerebral (AVC), caso afete as artérias do coração ou cérebro, respetivamente. Para evitar que isto aconteça, deve ter os níveis de colesterol controlados, sobretudo, se tiver doenças como hipertensão e diabetes que aumentam o risco cardiovascular por si só. Na verdade, tratar a dislipidemia reduz em 30% o risco de vir a ter uma doença cardiovascular num prazo de 5 anos.

Como controlar o colesterol?

É possível controlar o colesterol através da dieta e do exercício físico. A Associação Portuguesa de Nutrição (APN) recomenda o consumo frequente de fruta, hortícolas frescas, cereais integrais, peixe e a utilização de azeite como gordura principal. Além disso, recomenda a redução no consumo de charcutaria, carnes vermelhas, açúcar e bebidas alcoólicas. Deve, sobretudo, ser dada preferência à carne branca e reduzir-se o consumo de sal para <5g/dia. A prática regular de exercício físico é crucial para reduzir os valores de colesterol total e LDL. O que se aconselha é, no mínimo, 30 minutos por dia de exercício moderado a intenso.

 

Para se considerar que a dislipidemia está controlada, os valores devem ser:

 

  • colesterol total: <190 mg/dL (a menos que haja um risco cardiovascular muito alto, aí o valor-alvo é <175 mg/dL);

 

  • colesterol LDL: <115 mg/dL (tal como com o colesterol total, se houver um risco cardiovascular já alto ou muito alto, os valores são mais exigentes);

 

  • colesterol HDL: >40 mg/dL nos homens e >45 mg/dL nas mulheres;

 

  • triglicéridos: <150 mg/dL.

 

Ainda assim, não deixe de confirmar com o seu médico quais os valores-alvo mais adequados para o seu caso. 

 

Adotar um estilo de vida saudável é essencial para não deixar que os níveis de colesterol subam. Ao manter o colesterol total e LDL baixos, conseguimos retardar ou evitar a aterosclerose. No entanto, uma vez iniciado, a sua reversão parcial é possível, através dos cuidados alimentares e de exercício referidos. O seu médico irá ajudá-lo a criar as estratégias necessárias para baixar o colesterol, caso necessite.

artigo

58.

O perigo de ter o colesterol alto

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte