Pub
Pub
artigo
imprimir

É possível reverter a aterosclerose?

A aterosclerose é uma doença que afeta as artérias do corpo. A pergunta é: uma vez iniciado o processo, é possível revertê-lo? Hoje respondemos a essa pergunta.

A aterosclerose é a acumulação de placas de gordura nas artérias. Essas placas de gordura causam o estreitamento e obstrução das artérias, não só pelo espaço que ocupam, mas também porque se podem soltar e bloquear os vasos. Além disso, a aterosclerose faz com que o fluxo sanguíneo em certas partes do corpo fique afetada. Mas se é verdade que este é um problema que ocorre naturalmente na maior parte das pessoas, é importante perguntar: podemos reverter a aterosclerose?

 

Isto porque as complicações da aterosclerose, no longo prazo, podem ser:

 

  • Acidente vascular cerebral (AVC): se atingir as artérias do cérebro, o suprimento de sangue cerebral pode ficar comprometido ao ponto de uma parte do cérebro deixar de ser irrigada.

 

 

  • Doença arterial periférica: quando ocorre isquemia nas artérias dos membros inferiores. Pode ser inicialmente assintomática mas, à medida que vai progredindo, pode causar sintomas como claudicação intermitente.

Mas é ou não possível reverter a aterosclerose?

A aterosclerose é um processo insidioso. Quando se instala, é difícil reverter totalmente. No entanto, pode ser parcialmente revertida, algo que tem vindo a ser comprovado por vários estudos na área. Reverter a aterosclerose consiste em controlar de uma maneira agressiva e apertada os vários fatores de risco cardiovasculares. Esses fatores de risco incluem:

 

Tabagismo

 

Fumar contribui muito para a aterosclerose. Além disso, é um fator de risco para a ocorrência de eventos cardiovasculares. Deixar de fumar é essencial para conseguir reverter as placas ateroscleróticas já formadas.

 

Tensão arterial

 

A tensão arterial elevada é um fator de risco para doenças cardiovasculares. Assim sendo, ter a tensão controlada é essencial para tentar reverter a aterosclerose. Por isso, considere diminuir a ingestão diária de sal.

 

Diabetes

 

Sabe-se que a aterosclerose é muito prevalente em pessoas com diabetes. Como tal, o controlo glicémico é indispensável para conseguir controlar a aterosclerose.

artigo

179.

Diabetes tipo 2, a doença do estilo de vida

Dislipidemia

 

O colesterol e os triglicéridos aumentados acumulam-se nas placas de ateroma. São, aliás, uma importante parte da sua constituição. Assim sendo, uma dieta rigorosa e medicação para diminuir os níveis de colesterol são a base do tratamento da aterosclerose. E, assim sendo, da sua potencial reversibilidade. Estabilizar a placa aterosclerótica (isto é, a redução do risco de esta se soltar e bloquear uma artéria) e, de seguida, diminuí-la, são benefícios inequívocos da medicação para baixar o colesterol.

Ainda assim, o que posso fazer?

Para controlar os fatores de risco cardiovasculares devemos adotar um estilo de vida saudável. Para isso, há que seguir estratégias como:

 

  • Ter a mais saudável e equilibrada das dietas!

 

A alimentação deve ser rica em fibra, cereais, fruta e vegetais. Além disso, como gorduras, deve ser privilegiado o azeite e os frutos secos (amêndoas, nozes, avelãs). A carne magra deve ser preferida, ao invés da carne vermelha, assim como o peixe. Por fim, não deve abusar do álcool, sal, gorduras saturadas, açúcar ou alimentos processados.

 

  • Exercício, exercício e mais exercício!

 

O mínimo saudável de exercício são 30 a 60 minutos de cardio por dia (por exemplo, caminhadas ou jogging). O exercício ajuda a manter os níveis do «bom colesterol» alto, e um peso saudável.

 

  • Adeus e até sempre, cigarros!

 

O tabaco é um fator de risco para inúmeras doenças, incluindo aterosclerose. Se acha que não consegue deixar de fumar sem ajuda, pode (e deve!) pedir ajuda ao seu médico.

 

  • Medicação: sempre a tempo e horas

 

Se o seu médico assistente propuser medicação para controlar o colesterol, tensão arterial ou diabetes, é muito importante que cumpra. Se tiver dúvidas ou indecisões quanto à medicação, fale com o seu médico. Com certeza ajudá-lo-á a chegar a uma alternativa que se adeque a si.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte