Pub
Pub
artigo
imprimir

Diabetes tipo 2, a doença do estilo de vida

A obesidade e o sedentarismo são os maiores fatores de risco para a diabetes tipo 2. A predisposição genética também tem o seu papel. Mas são os estilos de vida atuais, menos saudáveis, que estão na base do aumento da sua prevalência. Por sua vez, a diabetes tipo 2 aumenta o risco cardiovascular. Leia este artigo para saber mais.

Segundo a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), a diabetes tipo 2 é o tipo mais comum. Apesar de ter uma forte componente hereditária, a verdade é que pode ser evitável se eliminarmos os fatores de risco. Costumava ser chamada de «diabetes do adulto». Infelizmente, nas últimas décadas, tem surgido em idades cada vez mais jovens. Isto deve-se principalmente ao aumento da obesidade infantil e ao facto de as crianças serem muito mais sedentárias.

Entender a diabetes

Na diabetes há um aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue. Sempre que comemos hidratos de carbono (fruta, pão, massa, arroz, batatas, doces) estamos a ingerir glicose. Um organismo saudável produz insulina, uma hormona que ajuda a glicose que obtemos dos alimentos a entrar nas células. É deste modo que as células obtêm a energia que lhes permite funcionar bem.

 

Nas pessoas com diabetes, o corpo não lida bem com a glicose:

 

 

  • e na de tipo 2, porque o corpo desenvolve resistência à insulina. Muitas vezes, esta resistência é causada por vários anos de estilos de vida pouco saudáveis.

Diabetes tipo 2

Causas da diabetes tipo 2

 

Na diabetes tipo 2, as células não respondem à insulina. Ou seja, não reconhecem a hormona. Isto força o pâncreas a trabalhar mais e a produzir mais insulina, numa tentativa de obter uma resposta. O esforço extra acaba por danificar as células do pâncreas, que, eventualmente, deixa de produzir insulina de todo.

 

Esta resistência à insulina pode ter várias causas:

 

  • predisposição genética
  • gravidez (diabetes gestacional, normalmente reversível)
  • obesidade, devido ao excesso de gordura corporal que causa inflamação que leva a resistência à insulina
  • dieta rica em calorias, gorduras e colesterol
  • sedentarismo. O exercício aumenta a resposta à insulina.
  • doenças hormonais raras

 

Sem conseguir usar a insulina, ou sem produção da mesma, a glicose não entra nas células. Deste modo, acumula-se no sangue e causa hiperglicemias (níveis demasiado elevados de açúcar no sangue).

 

Quando não é controlado, este excesso de açúcar no sangue pode causar danos no organismo. As áreas mais afetadas são, normalmente, os rins, olhos, nervos, pernas e o coração.

 

Sintomas da diabetes tipo 2

 

Os sintomas da diabetes tipo 2 vão-se desenvolvendo com o passar dos anos e o avançar da doença. Pode passar muito tempo antes de que se notem ou se lhes dê importância. É importante conhecer e controlar os fatores de risco. Esteja atento e fale com o seu médico se suspeitar de algum dos sintomas. Além disso, quanto mais cedo se obtiver o diagnóstico, mais cedo se pode começar a controlar a diabetes. Isto aumenta a esperança e a qualidade de vida do doente.

 

Alguns dos sintomas mais comuns são:

 

  • estar sempre com sede
  • aumento da necessidade de urinar
  • visão turva
  • irritabilidade e mau-humor
  • formigueiro e adormecimento das mãos ou pés
  • fadiga
  • feridas que parecem não sarar
  • infeções fúngicas frequentes (principalmente candidíases recorrentes nas mulheres)
  • sensação de fome
  • perda de peso inexplicável
  • aumento da propensão a infeções

 

Fatores de risco

 

Não modificáveis:

 

  • história familiar de diabetes
  • idade (a partir dos 45 anos)
  • mulheres com síndrome dos ovários poliquísticos
  • diabetes gestacional

 

Modificáveis:

 

  • obesidade
  • gordura abdominal
  • sedentarismo
  • alimentação rica em fast food, gorduras e açúcares ultraprocessados
  • comer em excesso de forma repetida, aumentando abruptamente os níveis de glicose no sangue

 

O que fazer para prevenir!

 

Não se pode fazer nada quanto à genética ou idade. Contudo, a diabetes tipo 2 pode ser prevenida se:

 

  • mantiver um estilo de vida saudável
  • praticar uma alimentação equilibrada e colorida, rica em alimentos simples e «reais», evitando os ultraprocessados
  • privilegiar o consumo de frutas e vegetais
  • beber 1,5 a 2 L de água por dia, evitando bebidas açucaradas e/ ou alcoólicas
  • praticar atividade física regular

 

quiz

11.

Sabe como prevenir a diabetes?

Diabetes e a saúde cardiovascular

A hiperglicemia característica da diabetes diminui a elasticidade das paredes dos vasos. Por isso, estes ficam mais estreitos e o sangue tem mais dificuldade em circular. A pressão arterial (tensão) aumenta. Além disso, o sangue não chega eficazmente aos órgãos e nervos, danificando-os. O coração e os seus vasos são dos mais afetados. É, por isso, que existe uma forte ligação entre a diabetes e a doença cardiovascular.

 

As pessoas com diabetes têm o dobro da probabilidade de vir a sofrer um AVC ou de desenvolver outra doença cardiovascular. Isto em relação a pessoas sem diabetes e numa idade mais jovem.

 

No caso específico da diabetes tipo 2, muitos dos fatores de risco são os mesmos das doenças cardiovasculares. A obesidade, sedentarismo e má alimentação causam o aumento da pressão arterial e a acumulação de colesterol nas artérias.

 

A diabetes tipo 2 é, sem dúvida nenhuma, a doença do estilo de vida. Muitos casos poderiam ser evitados com hábitos mais saudáveis. Comer bem, fazer exercício físico regular e evitar comida rápida, ultraprocessada, rica em açúcar e sal, é um bom caminho. Por isso já sabe: cuide-se! Ainda vai a tempo de evitar a diabetes tipo 2 ou atrasar o seu aparecimento.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

 

E, já agora, já conhece o nosso website Diabetes 365º?

Referências
  • Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP)

  • WebMD

  • Healthline

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

artigo
imprimir
anterior seguinte