Pub
Pub
artigo
imprimir

Como saber se tenho peso excessivo?

O peso excessivo é cada vez mais frequente. É, por isso, cada vez mais importante saber avaliar o peso e a distribuição da gordura que tem maior impacto na saúde do coração e das artérias. Venha aprender mais sobre este tema neste nosso artigo.

O excesso de peso é um problema de saúde pública e uma doença crónica. Além disso, é uma ameaça grave para a saúde e um fator de risco para o desenvolvimento e agravamento de muitas outras doenças. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o peso excessivo é definido como a acumulação anormal ou excessiva de gordura corporal que pode atingir graus capazes de afetar a saúde.

 

A peso excessivo está associado a várias complicações, tais como, por exemplo:

 

 

Os principais fatores de risco do peso excessivo são o sedentarismo e a alimentação inadequada. Por isso, é importante analisar os seus estilos de vida e alterá-los, caso seja necessário.

Mas como posso saber se tenho peso excessivo?

Primeiro passo: medir o IMC

 

O peso excessivo pode ser avaliado com recurso ao valor do índice de massa corporal (IMC). Graças a esta ferramenta podemos saber se o peso de adequa à estatura. De acordo com os valores calculados, assim se vê em que faixa se encontra:

 

  • Baixo peso ≤18,5 Kg/m2
  • Peso normal = 18,5 – 24,9 Kg/m2
  • Excesso de peso ou Pré-obesidade = 25 – 29,9 Kg/m2
  • Obesidade
    • I = 30 – 34,9 Kg/m2
    • II = 35 – 39,9 Kg/m2
    • III = 40 Kg/m2

 

O IMC é ainda essencial para a avaliação do risco cardiometabólico. Há medida que aumenta o IMC aumenta este risco. Mas, também é muito importante saber qual a distribuição da gordura corporal, daí a importância de medir o perímetro da cintura.

artigo

32.

O que é considerado o peso ideal?

Segundo passo: medir o perímetro da cintura

 

O perímetro da cintura mede-se em centímetros, a meia distância entre o bordo inferior da grelha costal e o bordo superior da crista ilíaca. É uma medida independente do peso que se correlaciona com o risco das doenças associadas à obesidade, sobretudo as cardiovasculares e metabólicas.

 

Quem está em risco?

 

Têm um maior risco cardiometabólico aumentado:

 

  • Homens com perímetro da cintura > 94 cm
  • Mulheres com perímetro da cintura > 80 cm

Excesso de peso: porque acontece?

O peso excessivo só se desenvolve se existir um balanço energético positivo. Ou seja, se a ingestão alimentar ultrapassar o dispêndio energético (a energia que gastamos). Diversos fatores podem contribuir para desencadear e manter este desequilíbrio.

 

  • Dieta

 

A ingestão excessiva de calorias face às necessidades. É, de facto, uma causa importante de desequilíbrio do balanço energético do organismo.

 

Entre os alimentos mais prejudiciais destacam-se aqueles que contêm açúcares e gorduras. Além disso, o álcool, hipercalórico, está também muito associado a peso excessivo.

 

  • Padrão de atividade física

 

Um nível de atividade física reduzido pode resultar num balanço energético positivo. E este, se se mantiver por um longo período de tempo pode originar um peso excessivo.

 

  • Influências sociais e ambientais

 

Atualmente, as sociedades modernas facilitam a ingestão excessiva de calorias e o sedentarismo, de forma cumulativa. E tudo isto contribui para uma maior incidência do peso excessivo.

 

  • Alterações das circunstâncias sociais e ambientais do indivíduo

 

O casamento, o nascimento de um filho, uma mudança de emprego com maior sedentarismo, uma alteração de mudança de região com alteração climática são alguns dos muitos acontecimentos da que podem desencadear alterações de hábitos de vida. E por vezes, uma alteração é o suficiente para iniciar hábitos menos saudáveis que se associam a acumulação de gordura.

 

Concluindo, o peso excessivo é em si mesmo uma pandemia. O controlo do seu peso depende de múltiplos fatores, mas também de si. Adote um estilo de vida saudável com a realização de exercício físico regular e uma dieta equilibrada para todo o sempre, para assim conseguir combater a doença obesidade e todas as doenças associadas.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte