Pub
Pub
artigo
imprimir

O frio e o seu impacto na saúde do coração

O nosso corpo tende a adaptar-se ao ambiente onde está inserido. Algo de que gosta muito é do equilíbrio. Daí que não seja de estranhar que possa sofrer com temperaturas extremas, sejam elas de frio ou calor. Neste artigo exploramos o impacto que o frio pode ter na sua saúde.

A exposição ao frio intenso, principalmente durante longos períodos de tempo ou dias consecutivos, pode ter efeitos nefastos na saúde das pessoas. Isto porque ocorrem alterações no organismo que facilitam a ocorrência de infeções respiratórias, gripes e constipações. Além disso, doenças crónicas do foro cardíaco e respiratório também podem piorar. Por outro lado, o frio tem ainda um papel indireto na ocorrência de doenças e acidentes.

Efeitos diretos do frio no organismo

Hipotermia

 

Em situações de exposição prolongada a temperaturas muito baixas, o organismo pode entrar em hipotermia (temperatura baixa). Isto acontece quando a temperatura do corpo baixa 2ºC ou mais em relação à temperatura normal de funcionamento das células. Casos graves de hipotermia podem mesmo levar à morte, porque os órgãos, incluindo o coração e o cérebro, deixam de conseguir funcionar corretamente.

 

Queimaduras pelo frio

 

Por outro lado, pode dar-se o caso de extremidades desprotegidas congelarem. Nariz, dedos das mãos e pés, e orelhas têm mais dificuldade em manter-se quentes. A água que está dentro dos tecidos pode mesmo congelar e levar à morte das células. Isto leva à necessidade de amputação. São as chamadas «queimaduras» pelo frio. Estas lesões são muito comuns em alpinistas ou em pessoas que vivem em localidades normalmente afetadas pela neve. As pessoas com diabetes devem ter especial atenção, uma vez que já por si têm propensão a lesões nas extremidades.

 

Perigos para o coração

 

Em temperaturas muito frias, o coração fica em sobreesforço, bombeando o sangue com mais frequência na tentativa de aquecer o corpo inteiro. Além disso, o frio é vasoconstritor. Ou seja, estreita os vasos sanguíneos. Isto aumenta o risco de ataques cardíacos e hipertensão. O perigo é maior em doentes cardíacos crónicos.

 

Pele

 

O frio causa e exacerba muitas doenças de pele. O ar frio tem tendência a secar a pele e a dificultar a circulação sanguínea causando gretas, frieiras, crises de atopia… O que não só é incómodo como pode ser extremamente doloroso. Pode mesmo levar a infeções, já que a barreira cutânea fica danificada.

Efeitos indiretos do frio na saúde

Nos dias e meses frios, as pessoas têm tendência a passar mais tempo encerradas em espaços fechados. Estes ambientes são paraísos para a propagação de doenças causadas por vírus e bactérias transmissíveis pelo ar. É o caso do coronavírus, responsável pela COVID-19 e pelos vírus causadores de gripes e constipações.

 

Por outro lado, o frio é responsável por muitos acidentes, ainda que de forma indireta:

 

  • promove a acumulação de gelo nas estradas e passeios, causando acidentes rodoviários e quedas que podem ter consequências graves;
  • leva a que as pessoas recorram a sistemas de aquecimento e lareiras, o que pode levar a incêndios, queimaduras e intoxicação por monóxido de carbono.

 

O frio deve ser encarado com cuidado e respeito. É tudo menos psicológico. É essencial abrigar-se bem, tomar comidas e bebidas quentes (sem álcool nem cafeína) e tentar vedar bem as habitações. As crianças e os idosos são muito vulneráveis às alterações de temperatura, preste-lhes especial atenção. Tenha também cuidado ao utilizar soluções de aquecimento. Sugerimos ainda a utilização de máscara em ambientes fechados como os transportes e serviços públicos. Não só para se proteger da COVID, mas também para evitar gripes e constipações. Proteja-se do frio e passe bem o inverno!

artigo

20.

A importância do exercício físico para o coração

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte