Pub
Pub
artigo
imprimir

Doença cardiovascular? Há vacinas recomendadas para si.

«Tenho uma doença cardiovascular, há vacinas extra que devo tomar?» A resposta é: sim! Venha descobrir quais e porquê.

O período de inverno é caracterizado pelo aparecimento de doenças como a gripe a pneumonia. Por outro lado, é também no inverno que há um pico de problemas cardiovasculares (como, por exemplo, o enfarte agudo do miocárdio) e mais descompensações de doenças do coração (como a insuficiência cardíaca). Será coincidência? A resposta é: não.

 

Está provado que as infeções respiratórias, quer a provocada pelo vírus da gripe, quer pela bactéria pneumocócica, aumentam o risco de enfarte agudo do miocárdio. Além disso, nas doenças cardíacas crónicas como a insuficiência cardíaca, uma infeção como a gripe ou a pneumonia está mais sujeita a causar complicações. O processo inflamatório típico das infeções respiratórias pode igualmente espoletar alterações no ritmo cardíaco, as arritmias. Por este motivo, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) recomenda, tal como a Direção-Geral da Saúde (DGS), a vacinação da gripe e da pneumonia em doenças cardiovasculares crónicas.

Vacinas recomendadas na doença cardiovascular

Vacina contra a gripe

 

Todos os anos a Direção-Geral da Saúde (DGS) emite uma circular acerca da vacinação contra a grip, onde recomenda a vacinação para vários grupos de risco. E, entre eles, estão normalmente os indivíduos com doenças cardiovasculares, nomeadamente: cardiopatia congénita, cardiopatia hipertensiva, insuficiência cardíaca crónica e cardiopatia isquémica.

 

A vacina da gripe pode ser adquirida na farmácia e administrada nos centros de saúde ou na farmácia, idealmente no período de Outono/Inverno.

artigo

48.

6 regras para proteger o coração

Vacina contra a pneumonia

 

A vacina contra a pneumonia protege-nos contra a pneumonia provocada pela bactéria Streptococcus pneumoniae. Também conhecida como doença invasiva pneumocócica, pode levar a complicações e descompensação da doença cardíaca. Por isso, a Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda a vacinação para pessoas que tenham diagnóstico de insuficiência cardíaca crónica, cardiopatia isquémica, cardiomiopatia e hipertensão arterial pulmonar. Existem duas vacinas, uma que protege contra 13 estirpes (isto é, 13 espécies diferentes) da bactérica e outra que protege contra 23 estirpes. Devem ser administradas as duas, num esquema específico, com alguns meses de intervalo. O médico de família deverá indicar qual o esquema que deve seguir. Pode ser administrada em qualquer altura do ano porque, ao contrário da gripe, não tem um agravamento sazonal.

 

Vacina contra a COVID-19

 

O ano de 2021 trouxe por uma boa notícia: o início da vacinação contra o novo coronavírus. A ciência deu o seu melhor e a primeira fase está prevista já para fevereiro de 2021. Assim sendo, nesta primeira fase, estão englobados vários grupos com risco acrescido a ter complicações devido à infeção pelo vírus. Duas das doenças englobadas são cardiovasculares: insuficiência cardíaca e doença coronária, nas pessoas com idade superior a 50 anos. Para além dessas doenças, estão também abrangidos os diagnósticos de insuficiência renal, doença pulmonar obstrutiva crónica ou doença respiratória crónica com suporte ventilatório e/ou oxigenoterapia, nos indivíduos com mais de 50 anos, e, também, todas a população com mais de 80 primaveras. A segunda fase da vacinação incluirá mais patologias, entre elas a hipertensão arterial. Todas as pessoas incluídas serão convocadas para a vacinação.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte