Pub
Pub
artigo
imprimir

Embolia cerebral: tudo o que precisa de saber

Cerca de 87% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) são isquémicos, vulgarmente causados pelo bloqueio de uma artéria cerebral. A embolia cerebral é um tipo de AVC isquémico e é, por isso, importante perceber do que se trata, as suas causas, prevenção e tratamento.

Êmbolo, é o termo médico utilizado quando, por exemplo, um coágulo, ou uma porção de placa de gordura dos vasos sanguíneos se solta e viaja através da corrente sanguínea. Portanto, quando este se aloja num dos vasos sanguíneos cerebrais e bloqueia o fluxo de sangue, dizemos que estamos perante uma embolia cerebral, um tipo de acidente vascular cerebral (AVC) isquémico.

 

O AVC isquémico ocorre quando o bloqueio de uma artéria que faz o aporte de sangue para o cérebro, priva de fluxo sanguíneo certas zonas do mesmo. No entanto, uma embolia cerebral, nem sempre causa um AVC. Quando o êmbolo se desfaz de forma espontânea em menos de 15 a 30 minutos. Estes casos são chamados de acidentes isquémicos transitórios (AIT).

Como reduzir o risco de embolia cerebral?

Uma mudança nos seus hábitos pode mudar o risco de uma embolia cerebral, uma vez que muitos dos fatores são modificáveis:

 

  • Fumar;
  • Má alimentação;
  • Perímetro abdominal aumentado;
  • Colesterol elevado;
  • Diabetes não controlada;
  • Hipertensão;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Consumo de drogas;
  • Falta de exercício;
  • Fatores psicossociais e stresse.

 

Contudo, não é possível prevenir completamente uma embolia cerebral, pois alguns fatores que aumentam o seu risco não podem ser alterados. Estes são chamados de fatores não modificáveis:  

 

  • Sexo;
  • Idade superior a 40 anos;
  • Fatores genéticos, como a etnia ou história familiar de AVC;
  • Doenças autoimunes como, por exemplo, o lúpus;
  • Doença cardíaca;
  • Gravidez e parto recente;

 

Saiba reconhecer os sintomas

 

Embora os sintomas de embolia cerebral sejam muito variáveis, alguns dos mais comuns são:

 

  • Dificuldade em falar ou perceber palavras;
  • Caminhar com dificuldade;
  • Diminuição da sensibilidade e dos movimentos, nos membros e/ou na face;
  • Paralisia temporária.

Tratamento e recuperação

Após a deteção de sintomas que sugerem uma embolia cerebral ou AVC, deve ligar desde logo para o 112! 

 

O tratamento para retirar ou desintegrar os coágulos é mais eficaz se for feito em até 4h e meia. Assim sendo, quanto mais cedo, maior a probabilidade de recuperação. E dependendo da causa da formação do êmbolo, o tratamento, pode, por exemplo, ser feito com medicamentos ou métodos como a cirurgia.

 

A sua qualidade de vida e recuperação vão depender da extensão dos danos causados pela embolia. Além disso, em caso de AVC, o risco de voltar a acontecer é maior após a primeira vez. E, por essa razão, é crucial que se informe para que cuide de si e dos seus da melhor forma!

artigo

Hábitos que podem ajudar a prevenir o AVC

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte