video
imprimir

Explicador: Como viver com doença arterial coronária?

Viver com doença arterial coronária implica saber ao certo o que se passa no seu organismo, o que esperar e o que pode fazer. Encontre as respostas para estas e outras questões no nosso vídeo!

Patrocinado por

Bem-vindo ao nosso Explicador, a rubrica na qual especialistas explicam e demonstram os principais conceitos na saúde cardiovascular. Hoje, o Dr. Francisco Araújo vai explicar-nos tudo sobre como é viver com doença arterial coronária. Veja o vídeo e deixe as dúvidas para trás.

Afinal, o que é a doença arterial coronária?

Infelizmente, a doença coronária é muito frequente. Não haverá ninguém em Portugal que não tenha tido alguém da família que tenha sofrido, por exemplo, um enfarte agudo do miocárdio ou que sofra de angina de peito. Ainda assim, ainda existe hoje muito desconhecimento sobre o facto de a doença coronária ser crónica. Isto porque muitas vezes associamo-la a um episódio agudo ou a uma situação terrível.

 

A doença coronária é uma doença das artérias que irrigam o músculo do coração. Afinal, o coração necessita de receber muito oxigénio e nutrientes. Tem, por isso, umas artérias próprias (chamadas de artérias coronárias) que irrigam a parede desse músculo para lhe levar esses componentes. E é preciso ter noção de que a doença arterial coronária se insere num processo muito mais vasto, que é a aterosclerose.

 

A aterosclerose é uma doença em que ocorre uma inflamação da parede das artérias. Nesta há uma acumulação de colesterol que decorre muitas vezes ao longo de décadas e que faz com que, de forma silenciosa, vá diminuindo o calibre do diâmetro dos vasos. A aterosclerose atinge vários territórios: pode atingir o cérebro, os membros inferiores e, por exemplo, o coração.

É possível curar uma doença coronária?

Não. Mesmo depois de tratada, a pessoa que sofre de doença coronária não fica curada. Existem tratamentos espetaculares hoje em dia, quer para episódios agudos, quer para a doença crónica. No entanto, o mais importante é controlarmos os fatores de risco da aterosclerose e da doença arterial coronária, que são os mesmos:

 

artigo

177.

Existem diferentes tipos de sedentarismo?

Todos estes são aspetos a gerir no dia a dia. Deve existir um compromisso entre o doente e o seu médico no sentido de controlar todos estes aspetos. Além disso, é essencial cumprir a medicação prescrita. As medicações às vezes têm efeitos secundários, mas na maior parte dos casos, é possível gerir essas situações com outras alternativas que estão à nossa disposição.

 

Existem excelentes tratamentos para evitar a primeira ou novas complicações associadas à doença arterial coronária.

O que é importante ter em conta?

A adesão à terapêutica é fundamental. Tal como é importante ir ao médico uma vez por ano como rotina para perceber qual a situação atual e se existe algum indício como, por exemplo, desconforto ao fazer exercício ou alguma dor no peito mais intensa. Se isso acontecer, procure o seu médico cardiologista, de família ou internista porque todos eles irão trabalhar em equipa para diminuir a ocorrência de problemas e orientar para uma maior qualidade de vida no futuro. Afinal, a doença arterial coronária não tem só consequências como o enfarte: pode levar a insuficiência cardíaca, cansaço, falta de ar, pernas inchadas.

 

O mais importante é esclarecer sempre as suas dúvidas, reconhecer bem os fatores de risco, tomar a medicação e cumprir as orientações do seu médico.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

video
imprimir
anterior seguinte