Pub
Pub
artigo
imprimir

Doença coronária: sintomas, fatores de risco e tratamentos

A propósito do mês dedicado ao coração, nunca é demais falarmos sobre a doença que mais mortes provoca nos países desenvolvidos, e que em Portugal só é suplantada pelo acidente vascular cerebral (AVC). Isabel Quelhas, cardiologista do Hospital CUF Porto, destaca o essencial a saber sobre a doença coronária.

A doença das artérias coronárias, vulgarmente designada por doença coronária, é causada maioritariamente pela aterosclerose, que consiste na deposição, no interior das artérias, de material gordo e material inflamatório que provoca redução ou até desaparecimento do fluxo sanguíneo nas artérias doentes.

 

A doença coronária pode ter uma instalação progressiva, sendo designada de crónica, ou uma instalação abrupta, e é designada de aguda.

Tipos de doença coronária

  • Doença coronária crónica: manifesta-se habitualmente por um mal-estar no peito (pressão e/ou falta de ar) quando o coração tem necessidade de trabalhar mais e designa-se de angina de esforço.

 

  • Doença coronária aguda: manifesta-se habitualmente por um mal-estar no peito (pressão e/ou falta de ar) ou por perda de consciência, tem início súbito e surge habitualmente em repouso. Neste caso falamos de enfarte agudo do miocárdio.

 

O enfarte agudo do miocárdio corresponde à interrupção da circulação do fluxo sanguíneo num determinado vaso, enquanto que a angina de esforço corresponde apenas à sua redução.

Os sintomas, diagnóstico e tratamento

Angina de esforço

 

Se uma pessoa sente um mal-estar no peito que corresponde a uma sensação de esmagamento ou queimar que por vezes se estende até ao pescoço, braço ou costas. Além disso, pode ser acompanhada de suores, falta de ar ou sensação de desmaio e que surge quando caminha ou transporta pesos. Deverá consultar um médico especialista porque poderá sofrer de angina de esforço.

 

Nesta situação, o médico especialista solicitará exames que confirmarão ou não esta hipótese.

 

Após o diagnóstico ter sido confirmado, o paciente iniciará medicação que evita a interrupção do fluxo sanguíneo, reduz a inflamação da placa de aterosclerose e o seu conteúdo em gordura, e aumenta a tolerância aos esforços físicos.

 

Caso o médico especialista considere indicado, o paciente será submetido a um exame (cateterismo cardíaco) com o objetivo de identificar qual ou quais os vasos doentes.

 

De seguida, será efetuada a dilatação do interior do vaso com colocação de uma estrutura cilíndrica com aspeto de rede (stent). Em casos específicos, a dilatação do interior do vaso poderá ser substituída por uma cirurgia às artérias coronáriasque é denominada de cirurgia de revascularização coronária.

 

Enfarte agudo do miocárdio

 

No caso de o mal-estar no peito surgir em repouso ou se tiver uma duração superior a cerca de 20 minutos, o doente deverá procurar ajuda médica imediata, recorrendo ao serviço de urgência de um hospital, pois poderá estar a sofrer um enfarte agudo do miocárdio.

 

No serviço de urgência, após a confirmação do diagnóstico, o doente será submetido a um cateterismo cardíaco.

 

Durante o cateterismo cardíaco será efetuada a abertura da artéria que se encontra completamente tapada e, também aqui, será colocado um stent.

artigo

19.

Quais os sintomas do enfarte do miocárdio?

Após a abertura da artéria, o doente iniciará medicação que irá evitar o seu encerramento, além de medicação para redução dos processos inflamatório e de morte celular que estão associados.

 

Nestes casos, o internamento tem uma duração média de cerca de 3 a 5 dias, para que se inicie o processo de recuperação.

Procurar ajuda e apostar na prevenção

É fundamental não hesitar em procurar ajuda médica em qualquer destas situações. Seja para realizar uma consulta, exame ou cirurgia.

 

Apesar deste contexto de pandemia, é seguro procurar aconselhamento médico pois os hospitais implementaram medidas que os tornam seguros para todos. Lembre-se que, em casos de situações urgentes, a procura de resposta imediata pode fazer a diferença na recuperação.

 

Para evitar as doenças das artérias coronárias e todos os procedimentos de diagnóstico e tratamento associados, é importante adotar ou manter um estilo de vida saudável.

 

Existem fatores que são modificáveis e contribuem para a diminuição da probabilidade de desenvolver estas doenças. É por isso importante:

 

 

Cuide do seu coração! E, já agora, junte-se à comunidade Cardio 365º!

Referências
  • Revista Saber Viver

artigo
imprimir
anterior seguinte