Pub
Pub
artigo
imprimir

Doenças do coração na família: também vou ter?

Tenho familiares com doenças do coração: existe um risco aumentado de vir a ter essas doenças? O que significa ter história familiar? Hoje vamos responder a essas perguntas.

As doenças do coração estão relacionadas com vários fatores de risco como, por exemplo, hipertensão arterial ou colesterol alto, consequentes muitas vezes de uma dieta pouco saudável e falta de exercício. Mas, sabia que a história familiar, ou seja, ter doenças do coração na família, também é um fator importante?

O que significa a história familiar?

Ter história familiar de uma determinada doença significa que, na família, existem várias pessoas com a mesma doença ou conjunto de condições. No nosso corpo, existem milhares e milhares de células que, no seu interior, contêm toda a informação que nos caracteriza. Essa informação são os nossos genes e a nossa herança genética provém da nossa família. Possuímos milhares de genes diferentes, que são herdados dos nossos pais, que, por sua vez, herdaram os seus genes dos nossos avós, e por aí fora.

 

Os genes não transmitem apenas as nossas particularidades físicas, como a cor dos olhos ou do cabelo, mas também outras informações, incluindo certas características do organismo. Entre elas, a propensão a ter tensão alta ou colesterol elevado, ambos fatores de risco para vir a desenvolver uma doença cardiovascular. A história familiar também implica a partilha de diversos fatores ambientais, incluindo os nossos hábitos.

 

Para além da história familiar, podemos falar também de mutações genéticas, responsáveis por doenças genéticas inerentes. Estas doenças, causadas por uma mutação de um ou mais genes específicos, quando existem na família, vão passando de geração em geração. Falando especificamente das doenças cardiovasculares, as doenças genéticas mais conhecidas incluem certos tipos de cardiomiopatias, de arritmias ou a hipercolesterolemia familiar.

artigo

Os diferentes tipos de cardiopatia

Risco familiar e doenças do coração

 

O risco de vir a desenvolver doenças do coração é um risco multifatorial. Ou seja, tem diversos fatores implicados. Entre eles, por exemplo, a história familiar, mais complexa, pois representa a herança de combinações de genes e da influência do ambiente. Se tem história familiar de doenças do coração, existe sim uma probabilidade maior de vir a sofrer desses problemas.

Como saber se tenho história familiar?

Para saber se tem história familiar de doenças cardiovasculares, é importante conhecer as doenças que correm na sua família, principalmente na família mais próxima. Quando falamos em história familiar de doenças do coração, queremos saber se houve enfartes (ataques cardíacos) ou AVCs na família, se existe história de insuficiência cardíaca, arritmias, cardiomiopatias, morte súbita ou paragens cardio-respiratórias.

 

A idade de diagnóstico também é um ponto a ter em conta. Afinal, diagnósticos em idades mais jovens apontam para uma causa familiar mais provável. Por exemplo, é considerada uma forte história familiar se tanto o nosso pai como irmão tiveram um diagnóstico de doença cardiovascular antes dos 55 anos (por exemplo, um acidente vascular cerebral ou enfarte agudo do miocárdio), ou a nossa mãe ou irmã antes dos 65 anos.

Tenho história de doença do coração na família: o que devo fazer?

Tem história de doenças do coração na família? Assim sendo, deve ter um cuidado ainda maior relativamente a comportamentos que aumentem o risco de vir a desenvolver doenças do coração como, por exemplo:

 

  • Não fumar;
  • Não consumir bebidas alcoólicas em excesso;
  • Manter uma dieta saudável, rica em legumes e fruta;
  • Praticar exercício físico regularmente;
  • Visitar o seu médico de família com regularidade.

 

Os hábitos saudáveis e o acompanhamento no seu médico de família, com análises e exames periódicos ao coração, ajudam a manter o seu risco baixo. Nos casos em que tem história familiar de doenças do coração, o seu cuidado deve ser redobrado, para evitar vir a sofrer de algum desses problemas.

 

Por fim, junte-se à comunidade Cardio 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte