Pub
Pub
artigo
imprimir

Manobras de suporte básico de vida: passo a passo

As manobras de suporte básico de vida estão indicadas para situações de paragem cardiorrespiratória ou choques elétricos e há técnicas específicas em função da idade da criança.

As manobras de suporte básico de vida são procedimentos que visam fornecer oxigénio ao cérebro e coração, sem recurso a equipamentos, até que chegue o suporte avançado de vida. Tanto em adultos como em crianças, estão indicados para situações de paragem cardiorrespiratória. No entanto, devido às características anatómicas e fisiológicas das crianças, estes procedimentos devem ser adaptados, nomeadamente as manobras devem ser feitas com maior suavidade, para não causar traumatismos.

 

  • Avalie as condições de segurança para o reanimador, para a vítima e para terceiros, antes de abordar a criança.

 

  • Avalie se a criança responde, perguntando em voz alta “estás bem, sentes-te bem?“, enquanto a estimula, batendo suavemente nos ombros ou estimulando os pés ou as mãos nos bebés.

Manobras de suporte básico de vida: passo a passo

Em primeiro lugar, é preciso avaliar o estado em que se encontra a criança.

 

  • Se a criança responder: 

Vigie e ligue o 112.

 

  • Se a criança não responder:

Verifique se a criança respira, observando se existem movimentos torácicos. Deve demorar, no máximo, 10 segundos neste procedimento.

 

  • Se a criança não responder, mas respirar:

    • Se estiver sozinho, peça ajuda, gritando, sem abandonar a criança.
    • Ligue para o 112 ou, se houver uma segunda pessoa presente, peça-lhe que o faça.

 

Se for um bebé (até 1 ano de idade), coloque-o numa posição lateralizada (corpo e cabeça de lado).

 

Se a criança tiver mais de 1 ano, coloque-a na posição lateral de segurança:

 

 

  • Ajoelhe-se ao lado da vítima com o corpo alinhado e os braços estendidos ao longo do corpo.
  • Coloque o braço da vítima que está junto a si dobrado, com a palma da mão virada para cima e ao nível da cabeça.
  • Pegue na outra mão da vítima, dobrando o braço por forma a cruzar o peito e a coloque as costas da mão na face da vítima do seu lado.
  • Segure, do lado oposto ao seu, a perna da vítima na zona do joelho, levante-a e dobre-a.
  • Utilize a perna dobrada para ajudar a rolar a vítima para o seu lado. Durante este movimento mantenha uma mão a apoiar a cabeça da vítima enquanto a faz rolar.
  • Certifique-se de que a vítima está a respirar, pois esta posição deve ser usada para vítimas inconscientes mas a respirar.

 

  • Se a criança não responder e não respirar:

    • Se estiver sozinho, peça ajuda gritando sem abandonar a criança e inicie imediatamente manobras de reanimação cardiorrespiratória (RCP).
    • Se houver uma segunda pessoa presente, peça-lhe que ligue o 112, enquanto inicia as manobras de reanimação cardiorrespiratória.

Reanimação cardiorrespiratória (RCP)

A criança deve estar deitada sobre uma superfície dura.

 

  • Se estiver sozinho, faça 2 minutos de reanimação cardiorrespiratória (30 compressões seguidas de 2 insuflações, repetindo 5 vezes – ver abaixo como executar estas manobras, em função da idade da criança) e depois ligue o 112.

 

Quando ligar, deverá estar preparado para responder às questões: onde, o quê, quem, como. Utlize um telemóvel em alta voz, enquanto mantém as manobras. Assim que terminar a chamada para o 112, volte para junto do bebé/criança e reinicie a reanimação cardiorrespiratória.

 

  • Se estiver acompanhado por outra pessoa, peça para ligar 112, enquanto inicia reanimação cardiorrespiratória.

 

As manobras só devem ser interrompidas se chegar ajuda diferenciada ou se a criança recuperar sinais de vida (respiração, tosse, choro ou abertura dos olhos).

Reanimação cardiorrespiratória: como se faz

Crianças com menos de 1 ano

 

Compressões: Técnica dos dois dedos

 

 

Mantenha a extensão da cabeça com uma mão, colocando a ponta de dois dedos da outra mão na vertical, sobre a metade inferior do esterno do lactente, abaixo da linha dos mamilos e comprima o tórax na vertical, de forma a causar uma depressão de cerca de 1/3 da sua altura (4 cm). Depois de cada compressão, alivie a pressão de forma a permitir ao tórax retomar a sua forma.

 

Insuflação: Técnica de ventilação boca-a-boca-nariz

 

Antes de executar esta técnica, deve manter a via aérea permeável. Existem duas técnicas para o fazer:

 

1. Extensão da cabeça – elevação do queixo
– Coloque-se ao lado da criança, estando esta deitada de costas.
– Coloque a palma de uma mão na testa da criança e incline cuidadosamente a cabeça para trás.
– Com a outra mão faça a elevação do queixo, colocando os dedos indicador e médio no bordo do maxilar inferior (mento ou queixo).

 

2. Subluxação da mandíbula
– Indicada nas situações em que há necessidade de imobilizar a coluna cervical por suspeita de trauma ou se não estamos a ser eficazes com a técnica da extensão da cabeça e elevação do queixo.
– Posicionando-se atrás da cabeça da criança, esta manobra é conseguida colocando 2 ou 3 dedos de cada mão debaixo dos ângulos da mandíbula, elevando-a (empurrando para a frente), com os polegares apoiados nos malares.

 

Depois de assegurar que a via aérea está permeável, execute a técnica de ventilação boca-a-boca-nariz:

 

 

Encha o seu «peito de ar», adapte a sua boca à volta da boca e do nariz do lactente e insufle.

artigo

43.

Dormir a sesta é bom para o coração

Crianças com mais de 1 ano

 

Compressões: Compressões torácicas

 

 

  • Posicione-se ao lado da criança.
  • Coloque a base de uma mão na metade inferior do esterno. Deve levantar os dedos de forma a que só a base da mão faça pressão, para não comprimir as costelas.
  • De seguida, mantendo o braço esticado, sem fletir o cotovelo, e de forma que o ombro fique perpendicular ao ponto de apoio da mão, pressione o tórax cerca de um terço da sua altura (5 cm na criança), usando o peso do seu corpo. No caso de crianças maiores, também pode optar por fazer compressões usando as duas mãos, colocando a segunda por cima da primeira.

 

Insuflação: Técnica de ventilação boca-boca

 

Antes de aplicar a técnica da ventilação boca-a-boca, deve manter a via aérea permeável. Existem duas técnicas para o fazer:

 

1. Extensão da cabeça – elevação do queixo

– Coloque-se ao lado da criança, estando esta deitada de costas.
– Coloque a palma de uma mão na testa da criança e incline cuidadosamente a cabeça para trás.
– Com a outra mão faça a elevação do queixo, colocando os dedos indicador e médio no bordo do maxilar inferior (mento ou queixo).

 

2. Subluxação da mandíbula

– Indicada nas situações em que há necessidade de imobilizar a coluna cervical por suspeita de trauma ou se não estamos a ser eficazes com a técnica da extensão da cabeça e elevação do queixo.
– Posicionando-se atrás da cabeça da criança, esta manobra é conseguida colocando 2 ou 3 dedos de cada mão debaixo dos ângulos da mandíbula, elevando-a (empurrando para a frente), com os polegares apoiados nos malares.

 

Depois de assegurar que a via aérea está permeável, execute a técnica de ventilação boca-a-boca:

 

 

– Adapte a sua boca à boca da criança, garantindo uma boa selagem.
– Com os dedos da mão, que faz a extensão da cabeça, pinçar as narinas da criança para evitar a fuga do ar insuflado.

 

Junte-se à comunidade Cardio 365º!

Referências
  • Revista Prevenir

artigo
imprimir
anterior seguinte